Jesus 3 x 0 Satanás

Posted: domingo, 22 de janeiro de 2012 by Sung Ho in Marcadores:
0

Ame conversar com Deus

Posted: domingo, 15 de janeiro de 2012 by Sung Ho in Marcadores: ,
0


Dn 6:1~8
Introdução.
Semana passada estudamos a respeito do Deus que fala. Nosso Deus fala. O mais impressionante é que Deus não somente fala mas como quer se comunicar conosco. O Criador deseja falar com as suas criaturas. Ele primeiro nos fez do pó da terra e depois falou. Todas as demais criações foram feitas pelo poder de sua palavra, mas apenas o ser humano ele primeiro fez para depois falar. Quando duas pessoas falam, temos comunicação, quando temos comunicação podemos ter um relacionamento, e Deus nos criou para relacionar-se conosco a fim de ser, por toda a humanidade, glorificado e adorado!
Orar é conversar com Deus.
Quando eu era criança, eu ouvia dos meus professores que o alimento espiritual era a Palavra de Deus. Ninguém pode ser saudável sem se alimentar do “maná” de Deus. A oração é como o respirar. Sem comer e sem respirar não há vida. Sem Bíblia e Oração, não há cristão.
Talvez a pessoa mais lembrada quando falamos de oração, pelo menos no Antigo Testamento, é Daniel. Hoje quero falar sobre ele. 
Daniel era de família nobre em Judá. Ainda jovem, viu a sua cidade, Jerusalém, ser invadida pelas tropas do maior exército da época, os babilônios. Ele foi levado cativo, e junto com seus amigos Ananias, Misael e Azarias, foi introduzido à corte do rei Nabucodonosor para aprender a cultura dos babilônicos a fim de serem úteis no governo do Rei. As histórias de Daniel e de seus amigos estão registradas no livro de Daniel. Lendo essas histórias, percebemos que esses quatro jovens eram muito especiais: pois amavam a Deus acima de todas as coisas, mesmo que isso significasse, no limite, perder a vida.
Muitos anos se passaram. Daniel foi subindo de posto e chegou a um dos cargos mais altos do império. Naquela época, o Império deixou de ser Babilônico e passou a ser Medo-Persa, uma vez que os persas conquistaram o poder. Entretanto, em tantos anos, nunca se vira naquele império uma figura tão nobre quanto Daniel: ele era uma pessoa realmente especial a tal ponto do Rei Dario querer coloca-lo como o seu “primeiro-ministro” sobre todo o Império.
Esse é o cenário e o contexto dentro da qual se desenrola essa história, muito famosa, que nos ensinará hoje o valor da oração. Meus irmãos, semana passada, falamos sobre a importância da Palavra de Deus e de como devemos ama-la. Hoje, prosseguindo com a série de mensagens “BASE”, quero compartilhar com vocês a respeito da importância da oração para cada um de nós que desejamos caminhar com Jesus da melhor maneira possível. 
1. Daniel era um homem íntegro.
1 Dario achou por bem nomear cento e vinte sátrapas para governarem todo o reino, 2 e colocou três supervisores sobre eles, um dos quais era Daniel. Os sátrapas tinham que prestar contas a eles para que o rei não sofresse nenhuma perda. 3 Ora, Daniel se destacou tanto entre os supervisores e os sátrapas por suas grandes qualidades, que o rei planejava colocá-lo à frente do governo de todo o império.”
A fama de Daniel já vinha de longe. Nabucodonosor descobriu que Daniel e seus amigos eram pelo menos dez vezes mais sábios do que todos os magos e encantadores daquele império (Dn 1:20). Quando Daniel foi o único a adivinhar o sonho do rei e interpretá-lo, Nabucodonosor colocou Daniel como governante de toda a província da Babilônia (Dn 2:28). Foi o rei Belsazar, um dos sucessores de Nabucodonosor, que colocou Daniel como terceiro do império, após ele decifrar as misteriosas palavras que surgiram na parede do palácio durante a grande festa que o rei fizera utilizando os utensílios do Templo de Jerusalém (Dn 5:30).
A reação mais óbvia que os colegas de trabalho de Daniel, os súditos do rei, sentiam a respeito de dele diante de sua meteórica trajetória de sucesso não poderia ser outra a não ser inveja. Sim. As pessoas ficaram com inveja de Daniel: “como um servo trazido como prisioneiro pode ser nosso chefe?”. Daniel fora designado como um dos três supervisores de todos as 120 satrapias, ou seja, províncias, tomando conta dos 120 sátrapas, ou seja, os governadores das províncias. A função desses supervisores era clara: cuidar para que “o rei não sofresse nenhuma perda” (vr. 2), ou seja, para que não houvesse corrupção na máquina administrativa do governo. Não havia alguém mais adequado à função do que o íntegro Daniel.
3 Ora, Daniel se destacou tanto entre os supervisores e os sátrapas por suas grandes qualidades, que o rei planejava colocá-lo à frente do governo de todo o império. 4 Diante disso, os supervisores e os sátrapas procuraram motivos para acusar Daniel em sua administração governamental, mas nada conseguiram. Não puderam achar nele falta alguma, pois ele era fiel; não era desonesto nem negligente. 5 Finalmente esses homens disseram: “Jamais encontraremos algum motivo para acusar esse Daniel, a menos que seja algo relacionado com a lei do Deus dele”.”
Diante do desejo do rei em fazer Daniel o “segundo do Reino”, as pessoas que tinham inveja de Daniel, os funcionários públicos que estavam sendo “prejudicados” em seus atos de corrupção devido à integridade e lisura de Daniel tentaram achar todas as formas para derrubá-lo. Revistaram a sua vida para ver se havia algum erro ou pecado que pudesse ser motivo de uma denúncia. Existe um ditado que diz: “não há nada que ao ser sacudido não solte poeira”. Mas Daniel era íntegro. Existia apenas uma saída para incriminar e se livrar de Daniel: usar a fé que ele tinha em Deus contra ele. Foi isso o que eles fizeram.
2. O plano para matar Daniel.
6 E assim os supervisores e os sátrapas, de comum acordo, foram falar com o rei: “Ó rei Dario, vive para sempre! 7 Todos os supervisores reais, os prefeitos, os sátrapas, os conselheiros e os governadores concordaram em que o rei deve emitir um decreto ordenando que todo aquele que orar a qualquer deus ou a qualquer homem nos próximos trinta dias, exceto a ti, ó rei, seja atirado na cova dos leões. 8 Agora, ó rei, emite o decreto e assina-o para que não seja alterado, conforme a lei dos medos e dos persas, que não pode ser revogada”. 9 E o rei Dario assinou o decreto.
Em todo lugar temos os chamados “puxa-sacos”. São pessoas que querem levar vantagem sobre os outros grudando em figuras poderosas e importantes tecendo elogios e mais elogios, os bajuladores, os aduladores. Já que pela competência os adversários de Daniel não podiam vencer, eles resolveram apelar. Eles sabiam que Daniel, sendo judeu, adorava apenas um Deus, YHWH. Eles sabiam que um judeu aceitaria morrer em troca de adorar e se prostrar diante de um ídolo. Aliás, os próprios amigos de Daniel já tinham experimentado a fornalha por não adorarem à estátua que Nabucodonosor fizera. Sim! Esse era o plano para matar Daniel: Se o rei assinasse um decreto que o tornava deus-homem por 30 dias e proibisse toda a adoração a qualquer outro deus que não fosse o próprio rei, Daniel seria pego em flagrante adorando a Deus. Seus adversários sabiam que a fé que Daniel tinha em YHWH era maior do que tudo!
É claro que o rei gostou da ideia. Ele selou com o seu anel. Uma vez selado, a lei não poderia ser revogada ou alterada. Esse era o costume da época.
3. Lições sobre oração ensinados através da vida de Daniel.
Todos estavam em suas posições. Daniel chegou em casa e os olhos de todos estavam à espreita dele. Eles sabiam que aquele seria um plano 100% bem sucedido. Eles sabiam que Daniel não se curvaria àquela decisão do seu rei.
10 Quando Daniel soube que o decreto tinha sido publicado, foi para casa, para o seu quarto, no andar de cima, onde as janelas davam para Jerusalém e ali fez o que costumava fazer: três vezes por dia ele se ajoelhava e orava, agradecendo ao seu Deus.
Esse versículo nos ensina duas lições preciosas sobre oração.
I. Daniel orou em todos os momentos, mesmo nos mais adversos.
10 Quando Daniel soube que o decreto tinha sido publicado, foi para casa, para o seu quarto, no andar de cima, onde as janelas davam para Jerusalém e ali fez o que costumava fazer
Daniel não abandonou o seu costume de orar continuamente, todos os dias, várias vezes por dia por causa de um simples decreto do rei que o proibia de fazer aquilo. Daniel não poderia orar ao seu rei e nem adorá-lo, pois só existe um Deus a ser cultuado, YHWH. Ainda que esse decreto colocasse sua vida em risco, Daniel pôs a vontade de Deus acima de qualquer vontade humana. Foi isso que o apóstolo Pedro falou diante dos sacerdotes que ordenaram que ele parasse de pregar o Evangelho: “É preciso obedecer antes a Deus do que aos homens!” (At 5:29).
Meus irmãos, convido a você conversar com Deus todos os dias, em todo momento, aonde você estiver. Daniel orava sempre, três vezes ao dia, provavelmente de manhã, ao meio-dia e à tarde (cf. Sl 55:17,18) com as janelas abertas em direção à Jerusalém. Ele não se importou com quem pudesse ver. Ele tornou pública a sua oração. Meus irmãos, Calvino disse que “devemos manter o costume de oferecer sacrifícios de oração em nossos corações, mas que a nossa confissão aberta é também necessária para que assim a realidade de nossa adoração a Deus possa aparecer claramente
, ser testemunho para outras pessoas.
Jerusalém era a cidade onde estava o Templo de Salomão, que fora destruído por Nabucodonosor em 586 BC. Significava para Daniel a presença de Deus, o anseio de estar em sua presença, e também a esperança da restauração. Meus irmãos, orar é ansiar pela presença de Deus e querer de todo o coração que os seus planos se cumpram em nosso viver. Mais do que pedir, orar é depender, esperar e amar a vontade de Deus, seja ela qual for, todos os dias, continuamente. Assim como não paramos de respirar, não podemos parar de orar!
II. Daniel tinha uma atitude correta ao orar.
três vezes por dia ele se ajoelhava e orava, agradecendo ao seu Deus
Daniel se ajoelhava. Esse é um costume esquecido por muitos de nós. Quem dentre nós ora ajoelhado? Porém, não há postura de indique mais humildade do que essa. É exatamente essa a postura através da qual devemos nos dirigir a Deus em oração. É só lembrar com quem nós estamos conversando nas nossas orações: é com o Deus Todo-Poderoso, é com Jesus que nos salvou morrendo na cruz e ressuscitando. É com o Espírito Santo que está sempre a nos guiar e fortalecer. Oração é e deve ser prova de humildade: “Deus, eu preciso de Ti, porque sozinho não posso fazer nada!”.
Daniel orava agradecendo a Deus! Ele era um homem grato e expressava essa gratidão em suas orações. Embora ele tivesse sido levado àquela terra como prisioneiro, Daniel nunca se esqueceu de agradecer em todas as coisas a Deus. O apóstolo Paulo nos ensina: “Alegrem-se sempre. Orem continuamente. Dêem graças em todas as circunstâncias, pois esta é a vontade de Deus para vocês em Cristo Jesus” (1Ts 5:16~18).  Meus irmãos, nunca se esqueça de agradecer a Deus em todas as suas orações. Inunde suas orações com ações de graças, pois Deus ama um coração grato!
Daniel foi denunciado. Nem o rei, que tinha um carinho especial por Daniel, pôde fazer algo. Era a lei. Daniel foi preso, sentenciado sumariamente e colocado dentro da Cova dos Leões para ser comido pelas feras. Mas Deus não desamparou Daniel.
4. Da cova à glória.
O rei não pôde dormir. O seu fiel súdito Daniel estava preso dentro da cova com leões esfomeados. Depois de uma noite longa, com os primeiros raios de sol no horizonte, ele foi para a porta da cova e viu que Daniel estava vivo, ou melhor, que o Deus a quem Daniel servia o salvara!
19 Logo ao alvorecer, o rei se levantou e correu para a cova dos leões. 20 Quando ia se aproximando da cova, chamou Daniel com voz que revelava aflição: “Daniel, servo do Deus vivo, será que o seu Deus, a quem você serve continuamente, pôde livrá-lo dos leões?” 21 Daniel respondeu: “Ó rei, vive para sempre! 22 O meu Deus enviou o seu anjo, que fechou a boca dos leões. Eles não me fizeram mal algum, pois fui considerado inocente à vista de Deus. Também contra ti não cometi mal algum, ó rei”. 23 O rei muito se alegrou e ordenou que tirassem Daniel da cova. Quando o tiraram da cova, viram que não havia nele nenhum ferimento, pois ele tinha confiado no seu Deus. ”
Até Dario sabia da fidelidade de Daniel a Deus. Daniel servia a Deus continuamente. E a maior marca disso é a vida intensa de oração que ele tinha. Ele amava conversar com Deus. Para ele, um estrangeiro em uma terra estranha, depois de perder tudo o que tinha, Deus era a única pessoa que poderia salvá-lo e restaurar novamente todas as coisas. Daniel confiava nas promessas que Deus fizera aos profetas do retorno e da restauração de Jerusalém e do país (cf. Ez 43:2, Jr 29:10,14).
Por causa da intensa paixão que Daniel tinha por Deus, até o rei Dario, um rei ímpio que não conhecia a Deus emitiu um edito, um decreto real para todo o seu império dizendo:
“Paz e prosperidade! 

26 “Estou editando um decreto para que em todos os domínios do império os homens temam e reverenciem 
o Deus de Daniel. 

“Pois ele é o Deus vivo 
e permanece para sempre; 
o seu reino não será destruído, 
o seu domínio jamais acabará. 
27 Ele livra e salva; 
faz sinais e maravilhas 
nos céus e na terra. 
Ele livrou Daniel 
do poder dos leões”.
Meus irmãos, por causa de uma pessoa, a história pode ter seu rumo totalmente transformado. Por causa de uma oração, e por trás dessa oração, por causa de um coração que não se curvou diante das ameaças, mas se manteve firme em Deus, o nome de YHWH foi exaltado em tudo o mundo. Quero hoje desafiar a cada um de vocês, e a mim também, para que tenhamos uma vida de oração assim. Em todos os momentos, até naquelas horas que orar a Deus seja sinônimo de passar vergonha, ou até morrer, será que teremos a mesma coragem de Daniel? Sim, a nossa vida de oração não depende apenas da nossa força, mas depende, e muito da ajuda do Espírito Santo!
E assim com Daniel continuamente se dirigia a Deus em oração, se relacionava com o Senhor, Deus o abençoava também continuamente: “28 Assim Daniel prosperou durante os reinados de Dario e de Ciro, o Persa.
Meus irmãos, o convite do Espírito Santo para mim e para você é que abramos nossos corações para que ele aja a fim de nos dar mais sede pela presença de Deus, mais sede em orar. Que Deus nos incomode quando não oramos, que o orar seja como o nosso respirar. Amém.

Ame a Palavra de Deus

Posted: quarta-feira, 11 de janeiro de 2012 by Sung Ho in Marcadores:
1

A história começou com Deus. A história começou com Ele, mas Ele mesmo não teve começo: Ele é aquele que chamamos de Eterno. A história começou quando Deus resolveu criar tudo o que temos dentro e fora do nosso campo de visão. Ele poderia viver e existir muito bem sem nada do que existe: anjos, pessoas, animais, planetas, universo. Mas Ele resolveu colocar em ação sua criatividade fazendo aparecer, não se sabe de onde, todas as coisas. “Em primeiro lugar, Deus criou o céu e a terra” (Gn 1:1 A Mensagem), escreveu Moisés em seu primeiro livro, o Gênesis.
Esse ser Criador de todas as coisas também poderia ter tomado uma atitude totalmente alheia em relação à toda sua Criação. Bastava programar todas as coisas como um relógio. Mas não. Deus resolveu não somente criar mas interagir com as suas criaturas. Sim, nada do que foi criado foi feito sem um propósito claro: Deus queria que tudo revelasse a Sua Glória. 
O Planeta Terra, toda biosfera, todos os animais e seres vivos foram criados dentro de um perfeito plano sob a mais perfeita arquitetura que somente um Deus que tudo sabe pode fazer. Deus foi além, e, de acordo com Gênesis, Ele criou o primeiro ser humano, à sua imagem e conforme a sua semelhança, da terra. Depois foi a vez da mulher. Esse Deus deu o domínio de todas as coisas a esse casal esperando deles apenas uma coisa: que Eles obedecessem à Sua Palavra!
Sim! Deus fala! Não há Verdade mais impressionante do que esta: Deus fala com sua criação. Deus se comunica e Deus se relaciona. Deus disse e tudo veio a existir, porém, Deus pôs as mãos na massa para fazer o homem, para depois poder falar com ele! Deus fez especialmente a humanidade para que pudesse ter parte em sua história. Essa é a história desse livro, a Bíblia Sagrada.
Quando pegamos esse livro, que demorou mais de 1.500 anos para ser escrito, passou pela mão de mais de 40 autores, atravessou séculos, foi queimado, proibido, lido de maneira indevida, violado, respeitado porém não obedecido, podemos ter duas atitudes: ama-lo ou simplesmente ignorá-lo. Quando falamos de bases da nossa vida cristã, não podemos deixar de fora a Bíblia Sagrada, porque é Nela que Deus escreveu a Sua história com a humanidade e deixou registrado a sua vontade, a sua palavra. Eu acho isso tremendo, porque Deus nos ama tanto que deixou escrito uma obra que pudesse conter tudo o que precisamos saber a respeito de Deus, para amá-lo e adorá-lo.
Ame a Palavra de Deus. Quando eu era criança ouvi um pastor dizendo assim: “Bíblia fechada pode ser um livro qualquer, mas Bíblia aberta é Deus falando com você”. Meus irmãos, como é precioso saber que Deus fala conosco. Como é “sem preço” saber que nosso Deus responde todos os nossos anseios de maneira clara, sem rodeios, tudo isso na Bíblia. John Wesley, pregador inglês do séc. XVIII disse: “Ó dê-me esse livro! Por qualquer preço, dê-me o livro de Deus. Eu a tenho e é o conhecimento suficiente para mim. Deixe-se um “homo unius libris”!”.
Amados, a razão do Cristianismo ser tão irrelevante no mundo em que nós vivemos é porque não amamos a Palavra de Deus como a coisa mais preciosa, como o presente mais valioso dado pelo nosso Deus! Nossa vida cristã terá a exata temperatura e o exato calibre de quanto amamos a Palavra e a colocamos como norteado de nossas vidas! O mundo não se cansa de colocar dúvidas sobre a Palavra de Deus, porém, nós, cristãos, Filhos de Deus, cremos Nela a qualquer custo, pois cremos que é a Revelação de Deus para a salvação do homem.
Quando falamos em Bíblia, mesmo sabendo de sua importância, tendemos a considerá-lo como algo “chato”, “incompreensível”, de “difícil leitura” e longe da nossa realidade. Esses dias mesmo estava lendo o Salmo 119, um Salmo de exaltação da Palavra de Deus, e no versículo 103 está escrito: “Como são doces para o meu paladar as tuas palavras! Mais que o mel para a minha boca!”. Nos tempos da Bíblia, o chocolate ainda não havia sido inventado. Que tal relermos esse versículo como: “Como são saborosas as tuas palavras, são como um bom pedaço de chocolate belga derretendo dentro da minha boca”. 
Bíblia + Prazer. Essa é a grande transformação que ocorre em nossas vidas quando nos entregamos de verdade a Jesus. 
Quero ajudar vocês com algumas dicas hoje para tonar sua leitura bíblia prazerosa. Sim! Mas isso não vai acontecer só porque você colocou em ação essas dicas. A Palavra de Deus só vai se tornar algo extremamente valioso em você quando o próprio autor, o Espírito Santo estiver do teu lado, lendo junto com você e te fazendo entender Deus. Como eu adorava quando meus avós contavam histórias quando eu era criança. Se esses momentos eram valiosos, imagina o próprio Deus contando Sua história de amor para cada um de nós?
1. Quer ter prazer na Palavra de Deus? Então, ouça a Palavra!
O professor Paulo nos ensina em Romanos 10:17: “A fé vem por se ouvir a mensagem, e a mensagem é ouvida mediante a palavra de Cristo”.
Onde posso escutar, ouvir a Palavra de Deus? O melhor lugar é durante as mensagens e pregações. Para muitos, o momento da pregação é aquela hora de pegar no celular e mandar mensagens, entrar nas redes sociais, de fechar os olhos e pensar na vida. Mas eu posso te falar com certeza que Deus pode mudar 180º a vida de uma pessoa em um instante quando ela ouve a voz do próprio Deus durante a mensagem. Quer uma dica? Não venha com o pré-conceito da mensagem: esteja aberto sempre, crendo que Deus irá falar com você. Quando você tem a expectativa de Deus falar com você e a fome em saber a Sua vontade, milagres acontecem. Tenha sempre em mãos um caderno, um pedaço de folha para anotar, rascunhar e fixar aquilo que está sendo pregado.
Ouça a Palavra de Deus por MP3. Temos várias versões de bíblias narradas, mensagem extraordinárias na internet, testemunhos sobrenaturais. Ouça, por que é pelo ouvir que vem a fé, é pelo ouvir o que Deus tem a dizer que você conhecerá Deus e terá mais intimidade com Ele. Já disse que é um privilégio muito grande ouvir a voz de Deus, um Deus que quer se comunicar conosco. 
2. Quer ter prazer na Palavra de Deus? Então, leia a Palavra!
O apóstolo João escreveu: “Feliz aquele que lê as palavras desta profecia e felizes aqueles que ouvem e guardam o que nele está escrito, porque o tempo está próximo” (Ap 1:3). 
Eu sou uma pessoa suspeita em falar em leitura, porque eu amo ler! Quando eu tinha lá meus 10 anos de idade, eu odiava pegar em um livro para ler. Mas um dia meu avô e meu pai, vendo que as minhas notas estavam baixas, me “obrigaram” a ler. Comecei a ler um livro, alguns romances, Sidney Sheldon, livros infantis, até que, sem eu saber, aprendera a gostar de ler. 
Se ler é importante para a nossa formação como pessoas, imagina como é importante ler a Bíblia para sermos bons cristãos? Deus deu toda a sua Revelação em um livro, se não a lemos, não temos como saber, ao certo, qual é a vontade de Deus para as nossas vidas!
Aposto que muitos de vocês pensam: “não gosto de ler a Bíblia”, “não entendo a Bíblia”, “não tenho tempo para ler a Bíblia”, “acho chato ler a Bíblia”, etc. Tudo isso pode ser verdade. Mas deixe-me dizer uma coisa: A Bíblia é um livro cheio de mitos e fantasias para aqueles que não crêem em Deus. Mas para nós que o amamos e servimos, não tem sentido deixarmos nossa preguiça e preconceito nos impedirem de ler a Bíblia. E mais, muito da sua má vontade de ler a Bíblia pode ser o diabo tentando te deixar longe de Deus. Como ele faz isso? Simples, te deixando longe da Palavra!
3. Quer ter prazer na Palavra de Deus? Então, estude a Palavra!
“Os bereanos eram mais nobres do que os tessalonicensses, pois receberam a mensagem com grande interesse, examinando todos os dias as escrituras, para ver se tudo era assim mesmo” (At 17:11)
No meio das viagens missionárias de Paulo, ele visitou uma cidade chamada Tessalônica. Lá as pessoas escutaram a palavra de Deus. Porém, quando ele foi pregar o Evangelho em outra vida chamada Bereia, Paulo sentiu uma grande diferença: os bereanos não somente escutavam a Palavra, como também confrontavam direto com a Bíblia se tudo aquilo que o Paulo estava dizendo realmente era verdade, ou seja, eles estudavam a Bíblia.
Veja, que não basta ouvir, porque você pode ouvir de qualquer maneira.
Não basta ler, porque você pode ler e mesmo assim não entrar nada em seu coração.
Devemos também estudar a Bíblia!
Para um músico, estudar sobre a música, partitura, acordes, escalas, melodias, ritmos, pode ser algo extremamente difícil, mas com certeza é algo prazeiroso. Para uma estilista de moda, estudar o corte, o modelo, a roupa pode demandar muitas horas de análise, desenho, mas no fim, ela encara com alegria o resultado final, a peça de roupa. E para nós cristãos, cujo Deus fala e quer se relacionar conosco? Um Deus que deixou um livro escrito com tudo o que precisamos saber para viver a melhor vida? 
Estudar a Palavra de Deus é um convite que eu faço a todos. Não leia apenas, mas vá mais fundo no oceado que é a Palavra de Deus. Quem já mergulhou sabe disso: é diferente ver o mar da praia e ver o interior do mar no mergulho. Ver o mar aberto, um oceano azul já é maravilhoso, mas ver o que há dentro do mar é ainda mais fascinante. Procure saber mais sobre aquilo que está lendo na Bíblia, pergunte, procure alguém que te ensine, leia livros a respeito, tente sugar ao máximo aquilo que Deus tem revelado a você.
4. Quer ter prazer na Palavra de Deus? Então, memorize a Palavra!
Sabe aquele exercício que fazíamos em todos os acampamentos? Decorar versículos antes de comer? Essa é uma prática de alguns judeus. Eles devem decorar parte da torah para poderem participar das refeições. Ainda que achemos que essa prática não tem nada a ver conosco hoje, é muito importante termos um hábito de memorizar versículos da Bíblia. Dawson Troman disse assim: “A melhor maneira de lembrar a Palavra de Deus por um período prolongado é investir tempo memorizando versículos”.
Memorizar, decorar significa “saber de coração”. É justamente isso que o Salmo 119 diz no versículo 9~11: “Como pode um jovem manter pura a sua conduta? Vivendo de acordo com a Tua Palavra. Eu te busco de todo coração; não permitas que eu me desvie dos teus mandamentos. Guardei no coração a tua Palavra para não pecar contra ti”.
5. Quer ter prazer na Palavra de Deus? Então, medite na Palavra!
Se estudar a Bíblia significa prioritariamente entender bem o que a Bíblia mesmo quer nos dizer, meditar está relacionado a aplicar a Palavra de Deus em nossas vidas. 
“Como é feliz aquele que não segue o conselho dos ímpios, não imita a conduta dos pecadores, nem se assenta na roda dos zombadores! Ao contrário, sua satisfação está na lei do SENHOR, e nessa lei medita de dia e de noite” (Sl 1:1). 
Novamente chegamos nessa palavra: Prazer!
Prazer nós experimentamos. A Palavra de Deus só se traduzirá em prazer quando pudermos viver o cumprimento de cada promessa, de cada mensagem, de cada ensino que a Bíblia tem a nos revelar todos os dias. 
Podemos ser como pessoas a descrever um prato farto de feijoada, descrevendo todas as suas propriedades nutricionais, sua beleza, seu sabor, nem nunca ter experimentado o prato. Mas quando provamos, nosso testemunho se torna real, vibrante! Existem pessoas que investem a vida inteira para estudar profissionalmente a Bíblia: são os teólogos. Mas mesmo que eu seja o mais renomado teólogo, posso não ter prazer na Palavra de Deus, porquanto essa Palavra não se traduziu um vida e experiência dentro de mim. Mas posso ser a pessoa mais humilde, que tem dificuldade até de ler, mas ter um prazer imenso na Palavra de Deus.
Meditar não é só pensar, é tirar da cabeça e colocar em prática: todo dia, toda hora, e por isso, “medita de dia e de noite”.

O Milagre das línguas - O Espírito Santo nos faz UMA Comunidade

Posted: quinta-feira, 5 de janeiro de 2012 by Sung Ho in Marcadores:
0

언어의 기적을 통해 한 공동체를 이루시는 성령님
O Milagre das línguas - O Espírito Santo nos faz UMA Comunidade
행 2:1~13
At 2:1~13
서론 - Introdução
브라질로 이민오신 분들이 자장 많이 힘들어하는 것이 있다만, 분명이 언어문제입니다. 말이 다르고 또 풍습이 완전히 다른 나라에서 사는 것은 매우 어려운 일입니다. 여러분께서는 모두 이 같은 고생을 하시고 계십니다. 우리 이세 청년들도 자신들의 부모들과의 대화가 언어때문에 막힐때가 많습니다. 그들도 한국말을 잘 모리기 때문에 답답해 할때가 종종있습니다.
A maior dificuldade para os nossos pais imigrantes ao chegar no Brasil foi a diferença da língua. Nós também sofremos reflexos disso, porque muitas vezes não conseguimos nem nos comunicar com os nossos pais.
성경엔 언어에 대한 두 가지 재미있는 이야기가 기록 되었습니다. 
Mas a Bíblia nos conta duas histórias muito legais sobre língua.
1. 바벨탑 같은 교회 - Uma igreja como a Torre de Babel.
첫째 이야기는 여러분께서 너무나도 잘 아시는 바벨탑 사건입니다. 노아의 후손들은 홍수 이후에 번성하기 시작했습니다. 몇 백년 사이에 그들은 큰 민족을 이루려는 꿈을 꾸기 시작했지요. 여러분, 일단 언어가 틀리면, 한 나라와 민족을 이룰 수 없습니다. 창세기 11:1에 보면, “당시 온 세상에는 언어가 하나였으며 같은 말을 썼습니다”라고 써 있습니다. 그들은 시날이라는 평지에 성을 짖고, 그 성 가운데 큰 탑을 쌓기 시작하였습니다: “자, 우리가 우리를 위해 성을 쌓고 하늘까지 닿는 탑을 쌓자. 우리를 위해 이름을 내고 온 지면에 흩어지지 않게 하자” (창 11:4). 그들은 한 나라, 한 공동체를 만드려고 했는데, 하나님께서는 이를 좋게 보시지 않았습니다. 사랑하는 성도 여러분, 공동체라고 해서 다 좋은 것이 아닙니다. 
A primeira história é a tão conhecida história da Torre de Babel. Depois do dilúvio, a família de Noé cresceu, e depois de algumas centenas de anos, eles queriam formar um grande povo. Gn 11:1 diz que “no mundo, havia apenas uma língua, um só modo de falar”. Formar um povo só é possível quando todos falam a mesma língua. Eles construíram uma cidade e começaram a erguer uma grande torre dizendo entre si: “Vamos construir uma cidade, com uma torre que alcance os céus. Assim, nosso nome será famoso e não seremos espalhados pela face da terra” (Gn 11:4). Nem toda comunidade persegue um bom objetivo. Deus se desagradou daquilo que eles estavam fazendo.
여호와께서 말씀하시길: “저들이 한 민족으로서 모두 한 언어로 말하고 있어 이런 짓을 버리기 시작했다. 그러니 이제 그들이 하고자 꾸미는 일이라면 못할게 없을 것이다. 자, 우리가 내려가서 거기에서 그들의 언어를 혼란하게 해 서로 알아듣지 못하게 하자” (창 11:6,7).
O SENHOR disse: “Eles são um só povo e falam uma só língua, e começaram a construir isso. Em breve, nada poderá impedir o que planejam fazer. Venham, desçamos e confundamos a língua que falam, para que não entendam mais uns aos outros” (Gn 11:6,7).
여러분, 왜 하나님께서 한 공동체를 이루려는 사람들을 칭찬하시지 않으시고 도리어 그들을 징계하셨을까요? 정확한 해답은 바로 그들의 마음에서 찾일 수 있습니다. 노아의 후손들은 하나님을 잊어 자기들의 욕심과 쾌락을 위해, 하나님의 영광 대신, 그들의 영화를 위해 바벨을 세웠습니다. 그들은 모두 한 언어로 말이 잘 통했기 그만큼 죄를 더 쉽게 지을 수가 있었습니다.  언어는 그들의 걸림돌이 되었지요.
Meus irmãos, porque Deus não se agradou daquilo que eles estavam fazendo? A resposta está no coração dessas pessoas. Eles queriam construir a cidade para satisfazer seus próprios interesses e prazeres. Não queriam nada com Deus, queriam sim a sua própria fama. 
여러분, 우리는 바벨탑과 같은 공동체가 되서는 안됩니다. 
Nós não podemos ser uma comunidade parecida com a Torre de Babel.
이 사건 이후 많은 민족들이 생겼습니다. 구약의 모든 역사는 그 많은 민족들 중에 가장 작은 이스라엘 나라를 바탕으로 이뤄젔습니다. 하나님의 계획은 이스라엘을 통해 그 분의 은혜가 만방에 미치기를 원하셨지만, 유대인들은 하나님과 그 분과의 언약을 자기들의 소유로 삼아 이방들과 인연을 끊고, 도리어 살아있는 하나님의 율법을 생명이 없는 종교로 만들었습니다. 선민은 하나님을 잊고 다른 신들을 섬겼습니다. 수 많은 선지자들, 주의 종들이 보냄 받았지만, 죄는 그들의 귀를 막았습니다. 그래서 하나님께서는 예수님을 통해 새 역사를 이루고자 하셨습니다. 이것이 바로 신약입니다.
A história de todo o Antigo Testamento se baseia na escolha de um país, dentro desses tantos que se formaram, um minúsculo povo. Deus queria que através de Israel todas as demais nações o Conhecessem. Porém, os judeus monopolizaram Deus e desprezaram os gentios. Eles abandonaram Deus para se entregarem aos ídolos. Muitos profetas e servos de Deus foram enviados, mas os seus ouvidos já estavam tapados pelo pecado. Mas Deus enviou Jesus para escrever uma nova história. E essa é a história do Novo Testamento.
하지만, 한 공동체, 한 나라의 꿈은 계속 되었습니다. 바벨탑 사건에서 사천년이 지났지만, 하나님께서는 이 꿈을 완성시키시기 위해 이 땅에 빛되신 예수님을 보내셨습니다. 예수님은 십자가를 통해 새 백성, 새 나라, 새 공동체를 만드셨고 하나님의 나라의 계념, 즉 언어와 출생지외 국적을 초월하고 모든 믿는 사람들을 포함시키는 이 나라에 대해 우리에게 가르쳐 주셨습니다. 이 시점에서 두 번째 언어와 관련된 이야기를 말씀드리겠습니다. 
Mas o sonho de formar um só povo continuou. Quatro mil anos se passaram desde Babel e Deus enviou Jesus como Luz do mundo. Jesus chamou um novo povo, formou uma nova comunidade através da cruz e nos ensinou o que é o “Reino de Deus”, um reino onde não há barreiras de língua e cultura, que inclui todos aqueles que crêem em Jesus. A partir desse ponto, quero contar para vocês a segunda história de hoje.
2. 오순절의 교회 - A igreja do Pentecoste.
예수님 부활 이후, 그분은 제자들에게 이런 당부를 하셨습니다: “예루살렘을 떠나지 말고 너희가 내게 들은대로 내 아버지가 약속하신 선물을 기다리라. 요한은 물로 세례를 주었지만, 너희는 며칠 안에 성령으로 세례를  받을 것이다” (행 1:4,5). 오늘 여러분과 읽은 본문 말씀이 이 내용입니다. 120문도는 마가의 다락방에서 열심히 기도했습니다. 그들은 성령의 임재를 사모하였습니다. 비록 제자들은 성령의 존재를 예수님의 말씀을 통해 귀로 알았지만, 약속을 믿고 기도하였습니다. 열흘 이 지났습니다. 갑지기 유대인의 명절 오순절의 날이 이르자, 성령께서 그들을 찾아오셨습니다. 주일 세벽이었습니다. 하늘로부터 급하고 강한 바람의 소리가 있었고, 불의혀들이 각 사람 위해 임했으며, 그들 모두의 마음은 성령으로 가득 채워져 성령께서 하락하시는 대로 그들의 모국어가 아니고 생전 바우지 않은 언어로 말하기 시작했습니다. 그들은 예수님의 약속대로 성령의 세례를 받았습니다. 하지만 기적은 여기서 끊나지 않았습니다. 
Depois da ressurreição, Jesus fez o seguinte pedido aos seus discípulos: “Não saiam de Jerusalém, mas esperem pela promessa de meu Pai, da qual lhes falei. Pois João batizou com água, mas dentro de poucos dias, vocês serão batizados com o Espírito Santo” (At 1:4,5). 120 pessoas foram para o cenáculo orar crendo e esperando nessa promessa. Eles não sabiam quem era o Espírito Santo, mas pelo simples fato de Jesus ter-lhes prometido, eles confiaram. Dez dias se passaram. Quando chegou o dia da festa de Pentecostes, um som como de um vento forte invadiu o lugar, línguas de fogo pousaram sobre a cabeça de cada um e todos passaram a falar em novas línguas, que eles nunca haviam aprendido, conforme o Espírito lhes capacitava. Todos foram batizados com o Espírito Santo, mas o milagre não parou por aqui.
율법과 유대교의 전례를 따라, 세계 16개국에서 이민 생활하던 유대인들이 오순절 명절을 지키기 위해 예루살렘으로 올라갔습니다. 그들은 우리 청년들과 같이 오랜 세월 동안 타국에 살면서 그들의 모언어인 히브리어를 잊어 그당시 세계 적인 언어 그리스어와 아람어가 그들의 모언어가 되었습니다. 이민생활하던 유대인들은 자기들의 모국을 방문하더라도 언어때문에 많은 어려움을 겪었습니다. 그들은 히브리 언어로 강론되는 율법을 잘 이해하지 못했을 것입니다.
Judeus espalhados por 16 países estavam em Jerusalém para essa festa. Mas eles não falavam hebraico, a língua pela qual ensinava-se a lei. Mesmo eles estando lá, esses judeus no exílio tinham dificuldade de entender o ensino da lei.
그러나 성령의 충만함을 입은 제자들을 그들이 있었던 곳을 떠나 예루살렘 거리로 뛰어 나갔습니다. 그들은 담대한 마음으로 그들이 하늘로 부터 받은 은사, 곳 방언의 은사를 통해, 모든 사람들에게 복음, 예수님의 복된 말씀을 전하기 시작하였습니다. 7절에 말씀하시기를: “보십시오, 지금 말하고 있는 이 사람들은 모두 갈릴리 사람들이 아닙니까? 그런데 우리가 각자 태어난 곳의 말로 듣고 있으니 어찌된 일입니까?”. 하나님의 기적의 날이었습니다. 언어의 벽이 무너졌습니다. 성령이 충만한 제자들의 입에서 나오는 다양한 언어 속에 한 구원의 메세지, 즉, 예수님의 십자가의 복음과 부활의 희망의 비젼이었습니다. 
Mas os discípulos, cheios do Espírito Santo, saíram para as ruas anunciando com ousadia o Evangelho através do dom de línguas que haviam acabado de receber. Todos que judeus que ouviam os discípulos falarem sobre Jesus em outras línguas diziam entre si: “acaso não são galileus estes homens que estão falando? Então, como nós os ouvimos em nossa própria língua materna” (At 2:7,8). Era um dia de milagre. As barreiras das línguas caíram por terra para que apenas uma mensagem pudesse ser pregada e ouvida: Jesus morreu na cruz e ressuscitou!
3. 우리 교회가 이루어 나가야할 공동체 - A comunidade que nossa igreja deve formar.
사랑하는 대한교회 성도 여러분, 우리는 이 교회의 역사에 중요한 시점에 서 있습니다. 이 교회는 1971년에 설립되어 많은 고난과 여려움을 이겨 내일의 소망을 꿈꾸는 교회가 되었습니다. 우리는 이민교회로서 선한 싸움을 사우고 있습니다. 저희 가족은 1975년 부터 이 교회를 섬기며 왔습니다. 저는 이 교회를 너무나 사랑합니다. 이런 저에게 교회를 향한 꿈이 있습니다. 일세와 이세와 더 나아가 삼세가 한 성령안에 한 공동체를 이뤄 마지막때에 주님 손에 귀히 쓰임 받는 교회가 되길 바랍니다.
Meus amados, em seus 40 anos de história, nossa igreja passou por muitas tribulações. Mas hoje, chegou a hora de sonharmos com algo novo: sonhar com uma igreja que seja uma só comunidade formada pela primeira e segunda geração, e também pela terceira que está por vir, para que juntos possamos ser usados nas mãos do Senhor nesses últimos tempos.
그러기 위해 우리는 우리를 알게 모르게 가르는 언어와 풍습의 큰 담을 부너뜨려야 합니다. 제가 어릴 때 만해도 예배는 한국말로 드려졌습니다. 그러나 오늘은 그렇게 할 수 가 없습니다. 이유는 하나: 우리 이세는 한국말을 잘 모릅니다. 어떤 부모님들은 저를 찾아 왜 한국말로 찬양과 설교를 하지 않느냐고 물어 왔습니다. 이유는 하나: 그들은 한국말보다 포어로 드리는 찬양을 더 잘 이해하고 포어로 듣는 성경말씀을 더욱 더 잘 사모할수 있기 때문입니다. 어떤 분들은 왜 목사님이 설교하실때 원전도사가 통역을 해야하는가? 시간도 없는데 라고 물었습니다. 이유는 하나: 우리의 청년들도 담임 목사님이 선포하시는 말씀을 듣고 이해 권리가 있기 때문입니다.
Para isso, devemos destruir os muros da língua e dos costumes que nos separam. Quando eu era criança, nossos cultos eram feitos totalmente em coreano. Mas hoje a realidade não é essa. Muitos pais de vocês já me perguntaram por que não fazemos tudo em coreano. A resposta é simples: nossos jovens não entendem coreano. Por que cantar e pregar em coreano? Resposta é simples: como cantar algo que não entendo e como pregar em uma língua que não serei entendido? Pra que o SH jdsn tem que traduzir o pastor? Não é perda de tempo? Não! Nossos jovens tem o direito de saber e escutar o que seu próprio pastor prega e pensa.
이같이 이세들도 어른들의 예배와 교회를 이해하지 못할때가 많습니다. 왜 저희들은 교회에서 한국말로 모든 것을해야 됩니까? 교회가 한글학교입니까, 교회입니까? 포어로 성경을 읽어도 어렴풋이 알까 말깐데, 왜 한국말로 설교를 들어야 합니까? 등 교회 교사생활 7년, 전도사 3년 동안 들어온 학생들의 질문들입니다. 어른들도 이세들도 틀렸다는 말씀이 아닙니다. 단지, 여러분이 아시다시피 이민교회생활이 이만큼  어렵다는 것입니다. 우리는 모두 이 언어의 담을 무너뜨릴 때가 오고 있습니다. 사람의 힘으로 안되는 일입니다.
Também tenho ouvido muitos questionamentos dos jovens nesses anos de ministério: Por que tudo aqui tem que ser em coreano? Estamos em uma igreja ou numa escola de língua? Por que a pregação tem que ser em coreano? Por que tenho que ler a Bíblia em coreano se em nem português consigo entender direito? Não estou dizendo que nem a primeira e nem a segunda geração está errada. Só quero mostrar como é difícil ser uma igreja de imigração. Entretanto, precisamos superar isso. Não com a força humana.
그러면, 여러분, 어떻게 이 큰 문제를 극복할 수 있을까요? 해답은 본문에서 찾을 수 있습니다. 쉽습니다: 성령이 충만한, 가득한 교회, 성령이 충만 성도가 될 수 있으면, 능치 못할 일이 없을 것입니다. 성령이 충만한 가운데 진정한 예수님의 공동체가 생깁니다.
Então como podemos resolver esse problema? O texto nos ensina. Se formos uma igreja cheia do Espírito Santo, se formos cristãos cheios do Espírito Santo, tudo será possível. Porque uma verdadeira comunidade de Jesus nasce onde o Espírito Santo se faz presente e pleno na vida das pessoas.
결론 - Conclusão
우리 교회가 더욱 더 성령이 충만한 교회가 된다면, 언어의 담을 무너집니다, 풍습의 담은 무너집니다, 내 욕심은 사라지고 그 자리에 서로를 향한 사랑이 넘치게 될 것입니다. 남의 죄를 헐뜻는 대신 베드로전서의 말씀이 우리 가운데 성취될 것입니다: “무엇보다도 너희끼리 뜨겁게 사랑하라 사랑은 허다한 죄를 덮으리라” (벧전4:8). 하나님께서는 이런 교회 위해 복을 주십니다. 무엇보다 더 중용한것, 우리가 성령에 취하여 움직인다면, 언어를 초월하는 예수님의 복음이 우리의 육신을 변화시켜 이 악한 세대를 이기며 별 같이 빛나는 성도가 될 것입니다. 저는 믿습니다.
Se nós formos uma igreja cheia do Espírito Santo, os muros das língua e da cultura cairão. O meu egoísmo será convertido na vontade genuína de servir o outro irmão e se cumprirá a palavra de 1Pe 4:8 que diz: “Amem-se sinceramente uns aos outros, porque o amor perdoa muitíssimos pecados”. Deus abençoa uma igreja que é assim. Mais importante de tudo, se nós formos embriagados pelo Espírito Santo, o evangelho que está acima de toda dificuldade e barreira lingüística e cultural transformará as nossas vidas para que sejamos úteis em meio a uma geração tão corrompida, onde brilharemos como estrelas. Eu creio nisso!
13절에 보면, “그러나 어떤 사람들은 “그들이 새 술에 취했다”라고 조롱하며 말하기도 했습니다” 라고 써있습니다. 여러분, 역사를 보면, 크리스챤들은 세상의 조롱을 많이 받아왔습니다. 하지만, 술이 아닌 성령의 충만함을 받는다면, 조롱 받아도 난 괜찮습니다. 예수님의 공동체, 예수님의 교회의 유일한 무기는 총도, 돈도 아닙니다: 복음입니다. 사랑하는 성도 여러분, 바벨탑 같은 교회를 원하십니까? 아니면, 오순절에서 탄생된 교회를 꿈꾸십니까?
Vr. 13 diz que “alguns todavia zombavam deles e diziam: “Eles beberam vinho demais””. Meus amados, os cristãos sempre foram zombados pelo mundo ao longo da história. Mas se nós estivermos embriagados não de bebida alcoólica, mas do Espírito, não me importo de ser zombado. As armas que nós temos contra os zombadores não é revolver e nem dinheiro: é o Evangelho. Amados, com qual igreja você sonha? Uma igreja como a torre de Babel, ou a Igreja que nasceu do Espírito no dia de Pentecoste?
성령님은 언어의 기적을 통해 한 공동체를 만드신 이유는 우리가 복음을 듣고 사랑하며 실천하는 하나님의 자녀가 되계하기 위해섭니다. 여러분, 한국말, 포어보다 더 소중하고 중요한 것이 있다면, 바로 복음입니다. 이 복음을 기초로 삼아 우리 모두 한 공동체, 꿈의 교회를 이루어 나갑시다. 이 은혜가 여러분 위에 임하시기를 예수님의 이름으로 기도합니다.
Há uma razão do Espírito Santo formar uma comunidade através do milagre das línguas: para que todos pudessem ouvir o Evangelho, amar o Evangelho e praticar o Evangelho para sermos filhos que Deus se agrada. Meus amados, se há algo mais importante do que a língua coreana ou a língua portuguesa é o Evangelho. Que possamos construir uma comunidade alicerçada nessa base. Que essa graça esteja sobre todos vocês em nome de Jesus.

Pregado na Igreja Holiness Coreana no último domingo de novembro, no Culto em  Comunidade.

Gnosticismo e Docetismo.

Posted: by Sung Ho in Marcadores:
0


O Gnosticismo foi um movimento cuja gênese é incerta[1]. Há estudiosos que enxergam indícios primitivos dessa corrente de pensamento ainda no Evangelho de João, quando o evangelista faz uma defesa contundente da encarnação de Jesus Cristo e da sua divindade, e.g. no primeiro capítulo. Mas foi a partir do século II, ainda na era dos padres apostólicos, que esse movimento encontrou um terreno fértil dentro da igreja. Justino Mártir foi um apologeta que combateu essa heresia[2].

Resumidamente, o Gnosticismo está baseado no dualismo persa e nas filosofias orientais provenientes da Mesopotâmia. A isso também foi somado conceitos e filosofias helênicas. Dentro da Igreja o movimento gnóstico desenvolveu uma maneira muito particular de reinterpretar as Escrituras, particularmente os Evangelhos, aplicando esse dualismo em relação à Deus (impondo uma diferenciação no Deus do Antigo Testamento e do Novo Testamento), à criação e até à própria pessoa de Cristo.

O físico e o material são considerados inferiores em relação ao espírito e à gnose, o conhecimento supremo do divino que liberta a humanidade do cativeiro carnal. Há um dualismo também entre o material e o imaterial. Tudo o que é físico é mal por definição. “A grande atração do gnosticismo durante os primeiros séculos da Era Crista não deriva de suas especulações cosmogônicas, mas sim de sua doutrina e promessa de salvação[3]. A luta da humanidade consiste, então, em libertar-se definitivamente desta “prisão” carnal. Entretanto essa libertação só seria possível através de uma intervenção divino-miraculosa: aquilo que eles chamavam de “mensageiro do Reino Espiritual”. Dentro do Cristianismo, esse mensageiro foi associado à pessoa de Jesus Cristo.

Entretanto é exatamente aqui que o gnosticismo encontrou a sua maior barreira dentro do Cristianismo. Para os adeptos desse movimento, Jesus não poderia ser a encarnação de Deus na terra, uma vez que a matéria e o corpo são essencialmente maus. Essa ideia foi levada ao extremo quando os “docetistas” afirmaram que Cristo não poderia ser um homem corpóreo, mas apenas uma aparência, “um fantasma que parecia ter corpo físico por meios milagrosos[4]. O Cristo encarnado não era divino por estar vestido de um corpo ontologicamente mal.

Diante disso, duas reações quanto à vida na terra: alguns castigavam o seu corpo na esperança de que o poder maligno na matéria fosse debilitado; outros foram no sentido diametralmente contrário, ou seja, já que o espírito é essencialmente bom, nada que o corpo fizer poderia destruí-lo – o resultado disso era a libertinagem[5].

            Que impacto esse movimento teve dentro da igreja? Essa pergunta é muito fácil de ser respondida. O fundamento do cristianismo é a crença que Deus se fez carne e veio ao mundo, nascendo de uma virgem, e que morreu na cruz, ressuscitando de maneira corpórea, à vista de centenas de testemunhas. Assim sendo, não caberia dentro da doutrina cristã uma interpretação tão mística, desencarnada e dualista como a dos gnósticos-docetistas. 

Muito se tentou fazer para extirpar esse pensamento de dentro da Igreja: consolidação do cânon neotestamentário, o estabelecimento da fórmula romana (Credo Apostólico), os diversos Concílios Ecumênicos que se sucederam a partir de Nicéia, etc.

Mas uma pergunta que se pode fazer tendo em mente o gnosticimo-docetismo é a seguinte: Ela foi definitivamente extirpada do cotidiano cristão? Depois de mais de vinte séculos podemos enxergar rastros desse movimento tão antigo hoje? Ao vermos o cristianismo hoje, particularmente no Brasil, podemos dizer que o gnosticismo-docetismo é uma pagina virada da história da igreja?

A posição que defendo é que embora tenhamos vivenciado um desenvolvimento incalculável na Teologia ao longo de vinte séculos, a questão da corrupção ontológica da matéria, um pilar importante do gnosticismo, permanece como um tabu em muitas Igrejas e comunidades cristãs.

Algumas celebrações em determinadas comunidades eclesiásticas, por exemplo, enfatizam o aspecto místico-espiritual em detrimento de uma “teologia da esperança” cujo final é a redenção não somente do espírito, mas de todo o corpo e também de toda a natureza, conforme nos apresenta todo o Novo Testamento. Alia-se a isso, a introdução dentro dos ritos cristãos de elementos pagãos que acentuam o misticismo e até a superstição.

Indo um pouco mais além: se nós temos ainda essa influência gnóstica dentro do cristianismo, podemos enxergar um docetismo também? Creio que não da maneira como essa idéia foi concebida originalmente a partir do segundo século, porém, ainda é difícil para a maioria dos cristãos relacionarem, e.g., a ressurreição corpórea de Cristo com a nossa própria, ou seja, que até nosso corpo físico será redimido no final da história. Logo, o corpo não pode ser algo totalmente descartável.

Se o corpo físico fosse tão abominável o que diremos da Encarnação de Cristo, doutrina central do Cristianismo? O gnosticosmo-docetismo vai no sentido contrário do Novo Testamento, pois anula e aniquila algo que no final o próprio Deus redimirá e restaurará: o Homem, entendido na sua plenitude e, junto com ele,  toda a natureza física criada.

Em último lugar, da mesma maneira que o gnosticimo-docetismo era sincrético, nosso cristianismo também o é quando assimila dentro de sua formulação doutrinaria e prática aspectos estranhos ao Novo Testamento como uma tendência a espiritualizar tudo, de dissociar de maneira clara e irreversível o corpo da alma-espírito, como se o corpo físico fosse essencialmente mal, de não entender o papel relevante e fundamental que devemos desempenhar ainda nesse mundo, que embora esteja corrompido pelo pecado, ainda é alvo da graça de Deus.

O gnosticismo-docetismo não pode ser considerado uma heresia ultrapassada. Muito pelo contrário, ela ganha nova roupagem ao longo das gerações e ainda hoje confronta-se diretamente contra à essência do Evangelho.



Notas Bibliográficas.

GONZÁLEZ, Justo L. Uma História do Pensamento Cristão. Do início até o Concílio de Calcedônia. Vl 1, Cultura Cristã, São Paulo, 2004.

__________________. A Era dos Mártires. Uma História Ilustrada do Cristianismo. Vl 1. Vida Nova, São Paulo, 2003.

HURLBUT, Jessé Lyman. História da Igreja Cristã, Vida, São Paulo, 2010.

WALKER, W. História da Igreja Cristã, Aste, 4a. Edição, São Paulo, 2006.


[1] Cf. Hurbut in HIC, pág. 77
[2] Cf. Walker in HIC, pág. 75
[3] Cf. González, in UHPC, pág. 134.
[4] Cf. González in História Ilustrada do Cristianismo, Vl 1. pág. 98
[5] Cf. González, in UHPC, pág. 127.