Meu Blog mudou para outro endereço

Posted: segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012 by Sung Ho in
0

Amigos!

Depois de muito tempo blogando no Blogger, meu Blog mudou de endereço.

Acesse: www.paulowon.wordpress.com

Nos vemos lá!

P.S. Esse blog permanecerá ativo para leitura de posts passados.

Nele.

Quando a Justiça e a Paz se beijam.

Posted: domingo, 12 de fevereiro de 2012 by Sung Ho in Marcadores:
0

26. Série Romanos - Justiça e Paz (Rm 5.1)                                                                                            

A Esperança que vai além de qualquer Sofrimento.

Posted: sábado, 11 de fevereiro de 2012 by Sung Ho in Marcadores: ,
0




A Esperança que vai além de qualquer sofrimento
.



Salmo 42

1 Para o mestre de música. Um poema dos coraítas. 
Como a corça anseia por águas correntes, 
a minha alma anseia por ti, ó Deus. 
2 A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo. 
Quando poderei entrar para apresentar-me a Deus? 
3 Minhas lágrimas têm sido o meu alimento de dia e de noite, 
pois me perguntam o tempo todo: “Onde está o seu Deus?” 
4 Quando me lembro destas coisas 
choro angustiado. 
Pois eu costumava ir com a multidão, 
conduzindo a procissão à casa de Deus, 
com cantos de alegria e de ação de graças 
entre a multidão que festejava. 
5 Por que você está assim tão triste, ó minha alma? 
Por que está assim tão perturbada dentro de mim? 
Ponha a sua esperança em Deus! 
Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e 6 o meu Deus. 
A minha alma está profundamente triste; 
por isso de ti me lembro 
desde a terra do Jordão, 
das alturas do Hermom, 
desde o monte Mizar. 
7 Abismo chama abismo 
ao rugir das tuas cachoeiras; 
todas as tuas ondas e vagalhões 
se abateram sobre mim. 

8 Conceda-me YHWH o seu fiel amor de dia; 
de noite esteja comigo a sua canção. 
É a minha oração ao Deus que me dá vida. 

9 Direi a Deus, minha Rocha: 
Por que te esqueceste de mim? 
Por que devo sair vagueando e pranteando, 
oprimido pelo inimigo? 
10 Até os meus ossos sofrem agonia mortal 
quando os meus adversários zombam de mim, 
perguntando-me o tempo todo: “Onde está o seu Deus?” 

11 Por que você está assim tão triste, 
ó minha alma? 
Por que está assim tão perturbada 
dentro de mim? 
Ponha a sua esperança em Deus! 
Pois ainda o louvarei; 
ele é o meu Salvador e o meu Deus. 
Introdução.
Um dos sentimentos mais difíceis de se lidar é a saudade que a ausência de alguém querido nos traz ao coração. Pode ser um familiar querido, um amigo de muito tempo, um filho, um irmão. Pode ser até que você esteja separado fisicamente da pessoa que você ama, e não pode, por determinada razão vê-la.
Esse salmo, escrito pelos coraítas, fala justamente do sofrimento causado pela ausência de Deus em muitos momentos de nossa vida. Se Deus está em todos os lugares, como Ele pode estar ausente, e justo dentro do meu coração? 
A vida real é assim! Quem dera, todos que entrassem por essas portas saíssem totalmente curados, livres, em paz, sem problemas. A não ser que Deus desça hoje e faça  um milagre, você pode não sair daqui nem curado, nem “sem problemas”, nem totalmente feliz. O mais provável é que você sentirá algo diferente aqui e voltando ao mundo, você será a mesma pessoa com os mesmos problemas, tendo que enfrentar o mito de que nada de ruim acontece com um cristão.
Pois bem, se é isso que você acredita mesmo, que nada de ruim acontece com um cristão, que cristão não sofre e é feliz sempre, li com vocês o salmo que uma pessoa, que não sabemos nem quem é, mas que era “quente” com Deus, escreveu sobre isso. O cara conhecia Deus mesmo, mas nem por isso, ele foi poupado de sofrer seu pior sofrimento: o sentimento da ausência de Deus.
1. O desespero pela presença de Deus.
O salmista expressa todo o seu desespero e seu desejo de estar perto, na presença de Deus:
Como a corça anseia por águas correntes, 
a minha alma (npsh) anseia por ti, ó Deus. 
A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo. 
Quando poderei entrar para apresentar-me a Deus? (vss. 1, 2)
Quando lemos isso, pode parecer que a cena chega a ser até “meiga”. Um lindo cervo, lá lá lá... ou corça, à beira de um rio, lá lá lá... com margens verdes, com borboletas voando, bebe tranqüilo a sua água, lá lá lá... se refrescando do calor do sol. Aí você pensa: cara!, eu quero ser assim! Mas por de trás dessa imagem, está uma pessoa que está desesperada, latejando de sofrimento por uma única razão: ela não pode estar na presença de Deus. Assim como a corça que no meio de um deserto busca desesperadamente por águas, e não a acha, o salmista está quase à beira da morte por não poder estar na presença de Deus.
E não é só isso, não bastava ele mesmo sentir a ausência da presença de Deus em sua vida, seus inimigos começaram a desafiá-lo e a caçoá-lo:
Minhas lágrimas têm sido o meu alimento de dia e de noite, 
pois me perguntam o tempo todo: “Onde está o seu Deus?  (vr. 3)
Meus irmãos, não podemos sentir saudades daquilo que nunca experimentamos. Não podemos sentir a ausência de alguém que nunca conhecemos. E quando conhecemos alguém que nos faz bem e quando aprendemos a amá-la, a sua ausência gera uma dor quase que insuportável. Que presença de Deus era essa que o salmista tanto sentia falta e que agora ele estava privado de experimentar?
Quando me lembro destas coisas 
choro angustiado. 
Pois eu costumava ir com a multidão, 
conduzindo a procissão à casa de Deus, 
com cantos de alegria e de ação de graças 
entre a multidão que festejava. (vr. 4)
O salmista era um “buscador” de Deus. Ele estava em todos os momentos naquele lugar que representava a presença de Deus no meio do seu povo, o Templo de Jerusalém. Meus irmãos, na época em que esse salmo foi escrito, no Antigo Testamento, estar na presença de Deus significava estar no Templo. Era lá que os sacrifícios era oferecidos, os pecados perdoados e o Deus de Israel era adorado. Mas por algum motivo, o salmista não podia ir mais ao templo, e isso foi o motivo de seu terrível sofrimento.
O salmista era um coraíta, ou seja, era um levita que trabalhavam diretamente no Templo, servindo a Deus no próprio culto. Ninguém melhor do que ele para saber que Deus estava presente no meio da adoração de seu povo. Porém, um inimigo veio e o tirou de lá e o levou para uma terra estrangeira. Lá, longe de tudo, da sua família, sua terra, sua língua, o que deixava o seu coração mais triste era o fato dele não poder mais estar na presença de Deus, adorando YHWH em seu santo templo. A cada vez que ele lembrava daqueles dias de festa, daqueles cultos maravilhosos cheios de unção, o seu coração rasgava de tanta dor. 
Esse é o sentimento do salmista: Ele está morrendo de sede, sem ter à vista um poço para beber água. Ele está longe de Deus, no meio dos seus inimigos.
Daí, o salmista faz uma pergunta muito sincera a si mesmo:
Por que você está assim tão triste, ó minha alma? 
Por que está assim tão perturbada dentro de mim? (vr. 5a)
Sua alma estava triste. Literalmente, sua garganta (npsh) estava gemendo de dor por tanta secura. Ele olhou para dentro de si e encontrou tudo de pernas para o ar. Perturbação, dor: tudo isso causado pelo sofrimento da ausência da presença de Deus. Mas mesmo diante de tamanha dor, o salmista parece que encontrou esperança. Lembre-se que o salmista conhecia intimamente Deus, afinal, ele O servira todos os dias no Templo. A sua rotina era estar diariamente na presença de YHWH. Ele não foi enganado nem pelos seus piores sofrimentos:
Ponha a sua esperança em Deus! 
Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e o meu Deus. (vss. 5b, 6a)
Queridos, quando sentimos uma dor, essa dor tem a capacidade de nos cegar para o mundo. Quando enfrentamos situações adversas na nossa vida, uma doença, uma situação econômica desconfortável, solidão, depressão... É muito fácil vivermos em função de tentarmos aliviar o sofrimento, recorrendo, se preciso for, até ao Diabo. 
Muitos vão até a Deus exigindo seus direitos de filho e comprando sua cura, sua felicidade e seu prazer com suas ofertas e seus esforços pessoais. Não. Quem conhece Deus sabe que Ele está muito acima de qualquer dor e angústia que eu possa sentir. Mesmo que eu sofra, Deus continua sendo Deus, bondoso, misericordioso, amoroso, terno, justo, compassivo. 
Quando o salmista olhou para dentro de si, só viu motivos para ficar ainda mais “down”, mas quando ele ergueu os olhos para contemplar Deus, seu coração se encheu-se de esperança: “Ponha sua esperança em Deus! Eu sei que eu ainda vou louvar e cantar alegre, pois Ele é o MEU Salvador e MEU Deus!”.
Mas a esperança do salmista não se converteu em realidade.
2. O desespero pela ausência de Deus.
A esperança do salmista não se converteu em realidade. Meus irmãos, essa é a vida que cada um de vocês vai encarar lá fora, ou já está vivendo aqui dentro. Quantas vezes você olhou para Deus com o coração cheio de esperança que um dia Ele colocaria as mãos na sua vida e, com um passe de mágica, arrumaria tudo, resolveria todos os problemas, te tornaria uma pessoa mais feliz do mundo? E quantas vezes isso não aconteceu? Daí quando as suas expectativas em Deus são frustradas, ou você joga a culpa em si, ou joga a culpa toda sobre os “lombos” de Deus.
Para o salmista, nem uma coisa, nem outra. Ele simplesmente caminhou pela jornada que estava diante dele: de sofrimento, sim! Mas era o caminho sobre o qual ele foi deixado por Deus para andar:
A minha alma está profundamente triste; 
por isso de ti me lembro 
desde a terra do Jordão, das alturas do Hermom, 
desde o monte Mizar. (vr. 6b)
A visão do salmista vai novamente ao rio de águas do começo do salmo. Porém, ele associa o tamanho de sua tristeza ao tamanho do montes onde esse rio nasce, o Rio Jordão, o rio do começo do salmo. O tamanho do sofrimento desse cara de não poder estar na presença de Deus, no templo, era tão alta quanto os montes. No cume desses montes, neve, no cume dos sofrimentos do salmista, vazio total.
Ele estava com sede de Deus, mas a única coisa que ele estava bebendo era do cálice de seu sofrimento. E não era a conta gostas não! 
Abismo chama abismo 
ao rugir das tuas cachoeiras; 
todas as tuas ondas e vagalhões 
se abateram sobre mim (vr. 7)
Um dos momentos mais desesperados da minha vida, foi, quando eu tinha lá meus 12 anos, quando fui à praia e quase morri afogado, a três metros da areia. Não percebi que o mar estava tão fundo, meti o pé em um buraco e afundei! Naquele instante, um filme da minha vida começou a rodar, e, comecei a beber muita água. Cada onda que vinha tirava ainda mais o meu fôlego... Até que uma onda maior me empurrou de volta para a praia, para a vida. É disso que o salmista está falando. Ele queria beber água no rio, agora ele estava se afogando no mar de seus sofrimentos.
Mas, Deus do céu, quando esse sofrimento irá terminar? No meio de tudo isso, uma oração:
Conceda-me YHWH o seu fiel amor de dia; 
de noite esteja comigo a sua canção. 
É a minha oração ao Deus que me dá vida. (vr. 8)
Deus, estou sofrendo muito, mas concede-me o seu amor fiel, o amor que o Senhor tem com relação ao povo de tua aliança. Não me abandones na noite dos meus sofrimentos, mas torne essa noite suportável com suas canções!”. O salmista sabia que mesmo ele sofrendo, Deus é fiel para salvar os seus. Mas ao mesmo tempo que o salmista expõe sua confiança, ele também é suficientemente “macho” e verdadeiro para questionar Deus e duvidar de sua ajuda:
Direi a Deus, minha Rocha: 
Por que te esqueceste de mim? 
Por que devo sair vagueando e pranteando, 
oprimido pelo inimigo? 
Até os meus ossos sofrem agonia mortal 
quando os meus adversários zombam de mim, 
perguntando-me o tempo todo: “Onde está o seu Deus?” (vr. 9, 10)
Para quem o Salmista está dirigindo suas queixas? Para Aquele a quem ele mesmo considera como sendo a “Rocha”. “Senhor, Tu te esqueceste de mim? Será que o Senhor não vê que estou sofrendo e que todas as pessoas ao meu redor estão “tirando” comigo dizendo: “É assim que vive um servo de Deus? Afinal, cadê esse Deus que se esqueceu de você?””. “Pô, Deus, estou só o pó, cadê Você? Vocês está realmente aí?
Engraçado que nós somos ensinados como cristãos a nunca duvidarmos de Deus, a nunca questionarmos seus desígnios. Mas esse salmo e mais tantos, nos mostram homens de Deus que tiveram um momento de dúvida diante da certeza de Deus! 
Meus irmãos, estamos no fim desse salmo e ainda não conseguimos ver Deus agindo na vida desse cara, o libertando de todos os seus temores, resolvendo todos os seus problemas, curando todas as suas enfermidades. Não! Vemos um cara que luta para crer, mesmo com a cabeça cheia de dúvidas. E é aqui que está o grande ensinamento desse salmo. Novamente, por que o salmista está sofrendo, sem ter culpa de nada? Por que ele está nessa situação de total ausência de Deus em sua vida?
Muitas vezes, meus irmãos, Deus simplesmente se ausenta. Não é que ele não esteja presente, afinal, Ele está em todos os lugares. Mas Ele para de falar com você, Ele não responde suas orações da maneira que você quer. Ele não te cura. Ele não te dá aquela sensação de fogo no coração. Suas línguas estranhas param. Suas certezas são minadas. Daí você cai num sério dilema: Deus está comigo ou não? Será que Ele me abandonou? Você começa a sofrer e a duvidar, mesmo crendo. 
Nos momentos de dúvida e reflexão a respeito da ausência de Deus, o salmista fez perguntas sinceras a Deus. Ele fez 3 perguntas de fé: 1. Por que o Senhor me esqueceu? 2. Por que devo ser oprimido pelos meus inimigos? 3. Onde está o Senhor? Ele está morrendo e Deus continua a não responder do jeito que ele quer. Não se ouviu nenhuma voz de Deus. Na solidão da Sua ausência, a fé do salmista foi testada e triunfou! Fé e Dúvida são irmãs gêmeas; quando a dúvida pareceu vencer a parada, a fé triunfou a batalha, porque o salmista conhecia o Seu Deus, ao ponto de mesmo o Senhor não falando, ele sabia que Deus era rico em misericórdia!
Por que você está assim tão triste, 
ó minha alma? 
Por que está assim tão perturbada 
dentro de mim? 
Ponha a sua esperança em Deus! 
Pois ainda o louvarei; 
ele é o meu Salvador e o meu Deus. (vr. 11)

O salmo acabou e você deve estar pensando: Cadê Deus? Cadê Deus abrindo o mar, levantando mortos, curando enfermos, fazendo o que não existe existir, abrindo portas fechadas, dando vitória ao seu povo? Deus estava lá! Mas não do jeito de nós queremos que Ele estivesse. Deus estava lá dentro da esperança inabalável de um sujeito que conhecia Deus a fundo, tão fundo, que nada, nem o mais terrível problema, nem a mais duradoura tribulação, nem as mais duras dúvidas, puderam abalar sua esperança: “Ele é o MEU Salvador e o Meu Deus!”.
Às vezes, Deus parecerá ausente na sua vida. Pode ser que você sofra com isso, afinal, Ele não te curará, você não ouvirá a sua voz... 
"Não podemos, contudo, dizer que Deus está sempre a nossa disposição, que o encontraremos automaticamente ao fazer uma visita à (igreja), ao ler uma página bíblica, ao orar. Na vida cristã, há tempos de ausência sentida, noite obscura e escondimentos (...) Essas ausências servirão para corrigir a falsa ideia de um Deus disponível, que damos como evidente. Servirão para purificar e excitar o desejo".

Conclusão: Uma esperança que vai além de qualquer sofrimento.
Queridos irmãos, jovens. Não abandonem Deus na primeira dificuldade, pensando que você é o filhinho mimadinho do Papai do céu que terá tudo do bom e do melhor. Não! Deus não quer criar filhos mimados, mas sim, filhos que confiem Nele em TODAS as circunstâncias:
Tanto sei estar humilhado, como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias já tenho experiência, tanto de fartura, como de fome; assim de abundância, como de escassez. Tudo posso naquele que me fortalece.” (Fl 4:12,13)
Um velho cristão perseguido pela Igreja na China disse assim: “Não ore pelo fim da perseguição! Não devemos querer carga mais leve, e sim costas mais fortes!. Como precisamos de pessoas assim! Como Deus ama isso! São esses os verdadeiros vencedores!
Estou falando com você que ainda não recebeu a sua cura, que ainda está vivendo dentro de um problemão e que as pessoas ainda vem e te falam: “você não recebeu o seu milagre porque sua fé é muito pequena!”. Quero falar com seres humanos de verdade que estão aqui passando pelas mais variadas tribulações: irmãos, não percam as esperanças. Se tudo der errado aqui no mundo não se desespere, temos um lugar melhor nos esperando. O apóstolo Paulo disse: “Se é somente para esta vida que temos esperança em Cristo, de todos os homens, somos os mais dignos de compaixão” (1Co 15:19). Que a sua esperança em Deus seja muito maior do que qualquer sofrimento que você venha sofrer nesse mundo.
Sabe o que é a verdadeira felicidade? Não é a ausência de dor e de sofrimento. Não é a riqueza e nem a plena saúde. Mas é, em qualquer situação dessas, ter as esperanças tão arraigadas em Jesus que com Ele podemos superar todas as coisas, até a morte!
Um dos hinos que mais tocam meu coração diz assim: 
Se paz a mais doce me deres gozar, se dor a mais forte sofrer; 
Ó seja o que for Tu me fazes saber, 
Que feliz com Jesus sempre sou! 
Sou feliz, com Jesus, sou feliz com Jesus meu Senhor! 
Embora me assalte o cruel satanás, e ataque com vis tentações; 
Ó certo eu estou apesar de de aflições, 
Que feliz eu serei com Jesus! 
Meus triste pecado por meu Salvador, foi pago de um modo cabal; 
Valeu me o Senhor, oh mercê sem igual, 
Sou feliz graças dou a Jesus!  
A vinda eu anseio do meu Salvador, em breve virá me levar; 
Ao céu onde vou para sempre morar, 
Com remidos na luz do Senhor!
Amém.

Jesus 3 x 0 Satanás

Posted: domingo, 22 de janeiro de 2012 by Sung Ho in Marcadores:
0

Ame conversar com Deus

Posted: domingo, 15 de janeiro de 2012 by Sung Ho in Marcadores: ,
0


Dn 6:1~8
Introdução.
Semana passada estudamos a respeito do Deus que fala. Nosso Deus fala. O mais impressionante é que Deus não somente fala mas como quer se comunicar conosco. O Criador deseja falar com as suas criaturas. Ele primeiro nos fez do pó da terra e depois falou. Todas as demais criações foram feitas pelo poder de sua palavra, mas apenas o ser humano ele primeiro fez para depois falar. Quando duas pessoas falam, temos comunicação, quando temos comunicação podemos ter um relacionamento, e Deus nos criou para relacionar-se conosco a fim de ser, por toda a humanidade, glorificado e adorado!
Orar é conversar com Deus.
Quando eu era criança, eu ouvia dos meus professores que o alimento espiritual era a Palavra de Deus. Ninguém pode ser saudável sem se alimentar do “maná” de Deus. A oração é como o respirar. Sem comer e sem respirar não há vida. Sem Bíblia e Oração, não há cristão.
Talvez a pessoa mais lembrada quando falamos de oração, pelo menos no Antigo Testamento, é Daniel. Hoje quero falar sobre ele. 
Daniel era de família nobre em Judá. Ainda jovem, viu a sua cidade, Jerusalém, ser invadida pelas tropas do maior exército da época, os babilônios. Ele foi levado cativo, e junto com seus amigos Ananias, Misael e Azarias, foi introduzido à corte do rei Nabucodonosor para aprender a cultura dos babilônicos a fim de serem úteis no governo do Rei. As histórias de Daniel e de seus amigos estão registradas no livro de Daniel. Lendo essas histórias, percebemos que esses quatro jovens eram muito especiais: pois amavam a Deus acima de todas as coisas, mesmo que isso significasse, no limite, perder a vida.
Muitos anos se passaram. Daniel foi subindo de posto e chegou a um dos cargos mais altos do império. Naquela época, o Império deixou de ser Babilônico e passou a ser Medo-Persa, uma vez que os persas conquistaram o poder. Entretanto, em tantos anos, nunca se vira naquele império uma figura tão nobre quanto Daniel: ele era uma pessoa realmente especial a tal ponto do Rei Dario querer coloca-lo como o seu “primeiro-ministro” sobre todo o Império.
Esse é o cenário e o contexto dentro da qual se desenrola essa história, muito famosa, que nos ensinará hoje o valor da oração. Meus irmãos, semana passada, falamos sobre a importância da Palavra de Deus e de como devemos ama-la. Hoje, prosseguindo com a série de mensagens “BASE”, quero compartilhar com vocês a respeito da importância da oração para cada um de nós que desejamos caminhar com Jesus da melhor maneira possível. 
1. Daniel era um homem íntegro.
1 Dario achou por bem nomear cento e vinte sátrapas para governarem todo o reino, 2 e colocou três supervisores sobre eles, um dos quais era Daniel. Os sátrapas tinham que prestar contas a eles para que o rei não sofresse nenhuma perda. 3 Ora, Daniel se destacou tanto entre os supervisores e os sátrapas por suas grandes qualidades, que o rei planejava colocá-lo à frente do governo de todo o império.”
A fama de Daniel já vinha de longe. Nabucodonosor descobriu que Daniel e seus amigos eram pelo menos dez vezes mais sábios do que todos os magos e encantadores daquele império (Dn 1:20). Quando Daniel foi o único a adivinhar o sonho do rei e interpretá-lo, Nabucodonosor colocou Daniel como governante de toda a província da Babilônia (Dn 2:28). Foi o rei Belsazar, um dos sucessores de Nabucodonosor, que colocou Daniel como terceiro do império, após ele decifrar as misteriosas palavras que surgiram na parede do palácio durante a grande festa que o rei fizera utilizando os utensílios do Templo de Jerusalém (Dn 5:30).
A reação mais óbvia que os colegas de trabalho de Daniel, os súditos do rei, sentiam a respeito de dele diante de sua meteórica trajetória de sucesso não poderia ser outra a não ser inveja. Sim. As pessoas ficaram com inveja de Daniel: “como um servo trazido como prisioneiro pode ser nosso chefe?”. Daniel fora designado como um dos três supervisores de todos as 120 satrapias, ou seja, províncias, tomando conta dos 120 sátrapas, ou seja, os governadores das províncias. A função desses supervisores era clara: cuidar para que “o rei não sofresse nenhuma perda” (vr. 2), ou seja, para que não houvesse corrupção na máquina administrativa do governo. Não havia alguém mais adequado à função do que o íntegro Daniel.
3 Ora, Daniel se destacou tanto entre os supervisores e os sátrapas por suas grandes qualidades, que o rei planejava colocá-lo à frente do governo de todo o império. 4 Diante disso, os supervisores e os sátrapas procuraram motivos para acusar Daniel em sua administração governamental, mas nada conseguiram. Não puderam achar nele falta alguma, pois ele era fiel; não era desonesto nem negligente. 5 Finalmente esses homens disseram: “Jamais encontraremos algum motivo para acusar esse Daniel, a menos que seja algo relacionado com a lei do Deus dele”.”
Diante do desejo do rei em fazer Daniel o “segundo do Reino”, as pessoas que tinham inveja de Daniel, os funcionários públicos que estavam sendo “prejudicados” em seus atos de corrupção devido à integridade e lisura de Daniel tentaram achar todas as formas para derrubá-lo. Revistaram a sua vida para ver se havia algum erro ou pecado que pudesse ser motivo de uma denúncia. Existe um ditado que diz: “não há nada que ao ser sacudido não solte poeira”. Mas Daniel era íntegro. Existia apenas uma saída para incriminar e se livrar de Daniel: usar a fé que ele tinha em Deus contra ele. Foi isso o que eles fizeram.
2. O plano para matar Daniel.
6 E assim os supervisores e os sátrapas, de comum acordo, foram falar com o rei: “Ó rei Dario, vive para sempre! 7 Todos os supervisores reais, os prefeitos, os sátrapas, os conselheiros e os governadores concordaram em que o rei deve emitir um decreto ordenando que todo aquele que orar a qualquer deus ou a qualquer homem nos próximos trinta dias, exceto a ti, ó rei, seja atirado na cova dos leões. 8 Agora, ó rei, emite o decreto e assina-o para que não seja alterado, conforme a lei dos medos e dos persas, que não pode ser revogada”. 9 E o rei Dario assinou o decreto.
Em todo lugar temos os chamados “puxa-sacos”. São pessoas que querem levar vantagem sobre os outros grudando em figuras poderosas e importantes tecendo elogios e mais elogios, os bajuladores, os aduladores. Já que pela competência os adversários de Daniel não podiam vencer, eles resolveram apelar. Eles sabiam que Daniel, sendo judeu, adorava apenas um Deus, YHWH. Eles sabiam que um judeu aceitaria morrer em troca de adorar e se prostrar diante de um ídolo. Aliás, os próprios amigos de Daniel já tinham experimentado a fornalha por não adorarem à estátua que Nabucodonosor fizera. Sim! Esse era o plano para matar Daniel: Se o rei assinasse um decreto que o tornava deus-homem por 30 dias e proibisse toda a adoração a qualquer outro deus que não fosse o próprio rei, Daniel seria pego em flagrante adorando a Deus. Seus adversários sabiam que a fé que Daniel tinha em YHWH era maior do que tudo!
É claro que o rei gostou da ideia. Ele selou com o seu anel. Uma vez selado, a lei não poderia ser revogada ou alterada. Esse era o costume da época.
3. Lições sobre oração ensinados através da vida de Daniel.
Todos estavam em suas posições. Daniel chegou em casa e os olhos de todos estavam à espreita dele. Eles sabiam que aquele seria um plano 100% bem sucedido. Eles sabiam que Daniel não se curvaria àquela decisão do seu rei.
10 Quando Daniel soube que o decreto tinha sido publicado, foi para casa, para o seu quarto, no andar de cima, onde as janelas davam para Jerusalém e ali fez o que costumava fazer: três vezes por dia ele se ajoelhava e orava, agradecendo ao seu Deus.
Esse versículo nos ensina duas lições preciosas sobre oração.
I. Daniel orou em todos os momentos, mesmo nos mais adversos.
10 Quando Daniel soube que o decreto tinha sido publicado, foi para casa, para o seu quarto, no andar de cima, onde as janelas davam para Jerusalém e ali fez o que costumava fazer
Daniel não abandonou o seu costume de orar continuamente, todos os dias, várias vezes por dia por causa de um simples decreto do rei que o proibia de fazer aquilo. Daniel não poderia orar ao seu rei e nem adorá-lo, pois só existe um Deus a ser cultuado, YHWH. Ainda que esse decreto colocasse sua vida em risco, Daniel pôs a vontade de Deus acima de qualquer vontade humana. Foi isso que o apóstolo Pedro falou diante dos sacerdotes que ordenaram que ele parasse de pregar o Evangelho: “É preciso obedecer antes a Deus do que aos homens!” (At 5:29).
Meus irmãos, convido a você conversar com Deus todos os dias, em todo momento, aonde você estiver. Daniel orava sempre, três vezes ao dia, provavelmente de manhã, ao meio-dia e à tarde (cf. Sl 55:17,18) com as janelas abertas em direção à Jerusalém. Ele não se importou com quem pudesse ver. Ele tornou pública a sua oração. Meus irmãos, Calvino disse que “devemos manter o costume de oferecer sacrifícios de oração em nossos corações, mas que a nossa confissão aberta é também necessária para que assim a realidade de nossa adoração a Deus possa aparecer claramente
, ser testemunho para outras pessoas.
Jerusalém era a cidade onde estava o Templo de Salomão, que fora destruído por Nabucodonosor em 586 BC. Significava para Daniel a presença de Deus, o anseio de estar em sua presença, e também a esperança da restauração. Meus irmãos, orar é ansiar pela presença de Deus e querer de todo o coração que os seus planos se cumpram em nosso viver. Mais do que pedir, orar é depender, esperar e amar a vontade de Deus, seja ela qual for, todos os dias, continuamente. Assim como não paramos de respirar, não podemos parar de orar!
II. Daniel tinha uma atitude correta ao orar.
três vezes por dia ele se ajoelhava e orava, agradecendo ao seu Deus
Daniel se ajoelhava. Esse é um costume esquecido por muitos de nós. Quem dentre nós ora ajoelhado? Porém, não há postura de indique mais humildade do que essa. É exatamente essa a postura através da qual devemos nos dirigir a Deus em oração. É só lembrar com quem nós estamos conversando nas nossas orações: é com o Deus Todo-Poderoso, é com Jesus que nos salvou morrendo na cruz e ressuscitando. É com o Espírito Santo que está sempre a nos guiar e fortalecer. Oração é e deve ser prova de humildade: “Deus, eu preciso de Ti, porque sozinho não posso fazer nada!”.
Daniel orava agradecendo a Deus! Ele era um homem grato e expressava essa gratidão em suas orações. Embora ele tivesse sido levado àquela terra como prisioneiro, Daniel nunca se esqueceu de agradecer em todas as coisas a Deus. O apóstolo Paulo nos ensina: “Alegrem-se sempre. Orem continuamente. Dêem graças em todas as circunstâncias, pois esta é a vontade de Deus para vocês em Cristo Jesus” (1Ts 5:16~18).  Meus irmãos, nunca se esqueça de agradecer a Deus em todas as suas orações. Inunde suas orações com ações de graças, pois Deus ama um coração grato!
Daniel foi denunciado. Nem o rei, que tinha um carinho especial por Daniel, pôde fazer algo. Era a lei. Daniel foi preso, sentenciado sumariamente e colocado dentro da Cova dos Leões para ser comido pelas feras. Mas Deus não desamparou Daniel.
4. Da cova à glória.
O rei não pôde dormir. O seu fiel súdito Daniel estava preso dentro da cova com leões esfomeados. Depois de uma noite longa, com os primeiros raios de sol no horizonte, ele foi para a porta da cova e viu que Daniel estava vivo, ou melhor, que o Deus a quem Daniel servia o salvara!
19 Logo ao alvorecer, o rei se levantou e correu para a cova dos leões. 20 Quando ia se aproximando da cova, chamou Daniel com voz que revelava aflição: “Daniel, servo do Deus vivo, será que o seu Deus, a quem você serve continuamente, pôde livrá-lo dos leões?” 21 Daniel respondeu: “Ó rei, vive para sempre! 22 O meu Deus enviou o seu anjo, que fechou a boca dos leões. Eles não me fizeram mal algum, pois fui considerado inocente à vista de Deus. Também contra ti não cometi mal algum, ó rei”. 23 O rei muito se alegrou e ordenou que tirassem Daniel da cova. Quando o tiraram da cova, viram que não havia nele nenhum ferimento, pois ele tinha confiado no seu Deus. ”
Até Dario sabia da fidelidade de Daniel a Deus. Daniel servia a Deus continuamente. E a maior marca disso é a vida intensa de oração que ele tinha. Ele amava conversar com Deus. Para ele, um estrangeiro em uma terra estranha, depois de perder tudo o que tinha, Deus era a única pessoa que poderia salvá-lo e restaurar novamente todas as coisas. Daniel confiava nas promessas que Deus fizera aos profetas do retorno e da restauração de Jerusalém e do país (cf. Ez 43:2, Jr 29:10,14).
Por causa da intensa paixão que Daniel tinha por Deus, até o rei Dario, um rei ímpio que não conhecia a Deus emitiu um edito, um decreto real para todo o seu império dizendo:
“Paz e prosperidade! 

26 “Estou editando um decreto para que em todos os domínios do império os homens temam e reverenciem 
o Deus de Daniel. 

“Pois ele é o Deus vivo 
e permanece para sempre; 
o seu reino não será destruído, 
o seu domínio jamais acabará. 
27 Ele livra e salva; 
faz sinais e maravilhas 
nos céus e na terra. 
Ele livrou Daniel 
do poder dos leões”.
Meus irmãos, por causa de uma pessoa, a história pode ter seu rumo totalmente transformado. Por causa de uma oração, e por trás dessa oração, por causa de um coração que não se curvou diante das ameaças, mas se manteve firme em Deus, o nome de YHWH foi exaltado em tudo o mundo. Quero hoje desafiar a cada um de vocês, e a mim também, para que tenhamos uma vida de oração assim. Em todos os momentos, até naquelas horas que orar a Deus seja sinônimo de passar vergonha, ou até morrer, será que teremos a mesma coragem de Daniel? Sim, a nossa vida de oração não depende apenas da nossa força, mas depende, e muito da ajuda do Espírito Santo!
E assim com Daniel continuamente se dirigia a Deus em oração, se relacionava com o Senhor, Deus o abençoava também continuamente: “28 Assim Daniel prosperou durante os reinados de Dario e de Ciro, o Persa.
Meus irmãos, o convite do Espírito Santo para mim e para você é que abramos nossos corações para que ele aja a fim de nos dar mais sede pela presença de Deus, mais sede em orar. Que Deus nos incomode quando não oramos, que o orar seja como o nosso respirar. Amém.

Ame a Palavra de Deus

Posted: quarta-feira, 11 de janeiro de 2012 by Sung Ho in Marcadores:
1

A história começou com Deus. A história começou com Ele, mas Ele mesmo não teve começo: Ele é aquele que chamamos de Eterno. A história começou quando Deus resolveu criar tudo o que temos dentro e fora do nosso campo de visão. Ele poderia viver e existir muito bem sem nada do que existe: anjos, pessoas, animais, planetas, universo. Mas Ele resolveu colocar em ação sua criatividade fazendo aparecer, não se sabe de onde, todas as coisas. “Em primeiro lugar, Deus criou o céu e a terra” (Gn 1:1 A Mensagem), escreveu Moisés em seu primeiro livro, o Gênesis.
Esse ser Criador de todas as coisas também poderia ter tomado uma atitude totalmente alheia em relação à toda sua Criação. Bastava programar todas as coisas como um relógio. Mas não. Deus resolveu não somente criar mas interagir com as suas criaturas. Sim, nada do que foi criado foi feito sem um propósito claro: Deus queria que tudo revelasse a Sua Glória. 
O Planeta Terra, toda biosfera, todos os animais e seres vivos foram criados dentro de um perfeito plano sob a mais perfeita arquitetura que somente um Deus que tudo sabe pode fazer. Deus foi além, e, de acordo com Gênesis, Ele criou o primeiro ser humano, à sua imagem e conforme a sua semelhança, da terra. Depois foi a vez da mulher. Esse Deus deu o domínio de todas as coisas a esse casal esperando deles apenas uma coisa: que Eles obedecessem à Sua Palavra!
Sim! Deus fala! Não há Verdade mais impressionante do que esta: Deus fala com sua criação. Deus se comunica e Deus se relaciona. Deus disse e tudo veio a existir, porém, Deus pôs as mãos na massa para fazer o homem, para depois poder falar com ele! Deus fez especialmente a humanidade para que pudesse ter parte em sua história. Essa é a história desse livro, a Bíblia Sagrada.
Quando pegamos esse livro, que demorou mais de 1.500 anos para ser escrito, passou pela mão de mais de 40 autores, atravessou séculos, foi queimado, proibido, lido de maneira indevida, violado, respeitado porém não obedecido, podemos ter duas atitudes: ama-lo ou simplesmente ignorá-lo. Quando falamos de bases da nossa vida cristã, não podemos deixar de fora a Bíblia Sagrada, porque é Nela que Deus escreveu a Sua história com a humanidade e deixou registrado a sua vontade, a sua palavra. Eu acho isso tremendo, porque Deus nos ama tanto que deixou escrito uma obra que pudesse conter tudo o que precisamos saber a respeito de Deus, para amá-lo e adorá-lo.
Ame a Palavra de Deus. Quando eu era criança ouvi um pastor dizendo assim: “Bíblia fechada pode ser um livro qualquer, mas Bíblia aberta é Deus falando com você”. Meus irmãos, como é precioso saber que Deus fala conosco. Como é “sem preço” saber que nosso Deus responde todos os nossos anseios de maneira clara, sem rodeios, tudo isso na Bíblia. John Wesley, pregador inglês do séc. XVIII disse: “Ó dê-me esse livro! Por qualquer preço, dê-me o livro de Deus. Eu a tenho e é o conhecimento suficiente para mim. Deixe-se um “homo unius libris”!”.
Amados, a razão do Cristianismo ser tão irrelevante no mundo em que nós vivemos é porque não amamos a Palavra de Deus como a coisa mais preciosa, como o presente mais valioso dado pelo nosso Deus! Nossa vida cristã terá a exata temperatura e o exato calibre de quanto amamos a Palavra e a colocamos como norteado de nossas vidas! O mundo não se cansa de colocar dúvidas sobre a Palavra de Deus, porém, nós, cristãos, Filhos de Deus, cremos Nela a qualquer custo, pois cremos que é a Revelação de Deus para a salvação do homem.
Quando falamos em Bíblia, mesmo sabendo de sua importância, tendemos a considerá-lo como algo “chato”, “incompreensível”, de “difícil leitura” e longe da nossa realidade. Esses dias mesmo estava lendo o Salmo 119, um Salmo de exaltação da Palavra de Deus, e no versículo 103 está escrito: “Como são doces para o meu paladar as tuas palavras! Mais que o mel para a minha boca!”. Nos tempos da Bíblia, o chocolate ainda não havia sido inventado. Que tal relermos esse versículo como: “Como são saborosas as tuas palavras, são como um bom pedaço de chocolate belga derretendo dentro da minha boca”. 
Bíblia + Prazer. Essa é a grande transformação que ocorre em nossas vidas quando nos entregamos de verdade a Jesus. 
Quero ajudar vocês com algumas dicas hoje para tonar sua leitura bíblia prazerosa. Sim! Mas isso não vai acontecer só porque você colocou em ação essas dicas. A Palavra de Deus só vai se tornar algo extremamente valioso em você quando o próprio autor, o Espírito Santo estiver do teu lado, lendo junto com você e te fazendo entender Deus. Como eu adorava quando meus avós contavam histórias quando eu era criança. Se esses momentos eram valiosos, imagina o próprio Deus contando Sua história de amor para cada um de nós?
1. Quer ter prazer na Palavra de Deus? Então, ouça a Palavra!
O professor Paulo nos ensina em Romanos 10:17: “A fé vem por se ouvir a mensagem, e a mensagem é ouvida mediante a palavra de Cristo”.
Onde posso escutar, ouvir a Palavra de Deus? O melhor lugar é durante as mensagens e pregações. Para muitos, o momento da pregação é aquela hora de pegar no celular e mandar mensagens, entrar nas redes sociais, de fechar os olhos e pensar na vida. Mas eu posso te falar com certeza que Deus pode mudar 180º a vida de uma pessoa em um instante quando ela ouve a voz do próprio Deus durante a mensagem. Quer uma dica? Não venha com o pré-conceito da mensagem: esteja aberto sempre, crendo que Deus irá falar com você. Quando você tem a expectativa de Deus falar com você e a fome em saber a Sua vontade, milagres acontecem. Tenha sempre em mãos um caderno, um pedaço de folha para anotar, rascunhar e fixar aquilo que está sendo pregado.
Ouça a Palavra de Deus por MP3. Temos várias versões de bíblias narradas, mensagem extraordinárias na internet, testemunhos sobrenaturais. Ouça, por que é pelo ouvir que vem a fé, é pelo ouvir o que Deus tem a dizer que você conhecerá Deus e terá mais intimidade com Ele. Já disse que é um privilégio muito grande ouvir a voz de Deus, um Deus que quer se comunicar conosco. 
2. Quer ter prazer na Palavra de Deus? Então, leia a Palavra!
O apóstolo João escreveu: “Feliz aquele que lê as palavras desta profecia e felizes aqueles que ouvem e guardam o que nele está escrito, porque o tempo está próximo” (Ap 1:3). 
Eu sou uma pessoa suspeita em falar em leitura, porque eu amo ler! Quando eu tinha lá meus 10 anos de idade, eu odiava pegar em um livro para ler. Mas um dia meu avô e meu pai, vendo que as minhas notas estavam baixas, me “obrigaram” a ler. Comecei a ler um livro, alguns romances, Sidney Sheldon, livros infantis, até que, sem eu saber, aprendera a gostar de ler. 
Se ler é importante para a nossa formação como pessoas, imagina como é importante ler a Bíblia para sermos bons cristãos? Deus deu toda a sua Revelação em um livro, se não a lemos, não temos como saber, ao certo, qual é a vontade de Deus para as nossas vidas!
Aposto que muitos de vocês pensam: “não gosto de ler a Bíblia”, “não entendo a Bíblia”, “não tenho tempo para ler a Bíblia”, “acho chato ler a Bíblia”, etc. Tudo isso pode ser verdade. Mas deixe-me dizer uma coisa: A Bíblia é um livro cheio de mitos e fantasias para aqueles que não crêem em Deus. Mas para nós que o amamos e servimos, não tem sentido deixarmos nossa preguiça e preconceito nos impedirem de ler a Bíblia. E mais, muito da sua má vontade de ler a Bíblia pode ser o diabo tentando te deixar longe de Deus. Como ele faz isso? Simples, te deixando longe da Palavra!
3. Quer ter prazer na Palavra de Deus? Então, estude a Palavra!
“Os bereanos eram mais nobres do que os tessalonicensses, pois receberam a mensagem com grande interesse, examinando todos os dias as escrituras, para ver se tudo era assim mesmo” (At 17:11)
No meio das viagens missionárias de Paulo, ele visitou uma cidade chamada Tessalônica. Lá as pessoas escutaram a palavra de Deus. Porém, quando ele foi pregar o Evangelho em outra vida chamada Bereia, Paulo sentiu uma grande diferença: os bereanos não somente escutavam a Palavra, como também confrontavam direto com a Bíblia se tudo aquilo que o Paulo estava dizendo realmente era verdade, ou seja, eles estudavam a Bíblia.
Veja, que não basta ouvir, porque você pode ouvir de qualquer maneira.
Não basta ler, porque você pode ler e mesmo assim não entrar nada em seu coração.
Devemos também estudar a Bíblia!
Para um músico, estudar sobre a música, partitura, acordes, escalas, melodias, ritmos, pode ser algo extremamente difícil, mas com certeza é algo prazeiroso. Para uma estilista de moda, estudar o corte, o modelo, a roupa pode demandar muitas horas de análise, desenho, mas no fim, ela encara com alegria o resultado final, a peça de roupa. E para nós cristãos, cujo Deus fala e quer se relacionar conosco? Um Deus que deixou um livro escrito com tudo o que precisamos saber para viver a melhor vida? 
Estudar a Palavra de Deus é um convite que eu faço a todos. Não leia apenas, mas vá mais fundo no oceado que é a Palavra de Deus. Quem já mergulhou sabe disso: é diferente ver o mar da praia e ver o interior do mar no mergulho. Ver o mar aberto, um oceano azul já é maravilhoso, mas ver o que há dentro do mar é ainda mais fascinante. Procure saber mais sobre aquilo que está lendo na Bíblia, pergunte, procure alguém que te ensine, leia livros a respeito, tente sugar ao máximo aquilo que Deus tem revelado a você.
4. Quer ter prazer na Palavra de Deus? Então, memorize a Palavra!
Sabe aquele exercício que fazíamos em todos os acampamentos? Decorar versículos antes de comer? Essa é uma prática de alguns judeus. Eles devem decorar parte da torah para poderem participar das refeições. Ainda que achemos que essa prática não tem nada a ver conosco hoje, é muito importante termos um hábito de memorizar versículos da Bíblia. Dawson Troman disse assim: “A melhor maneira de lembrar a Palavra de Deus por um período prolongado é investir tempo memorizando versículos”.
Memorizar, decorar significa “saber de coração”. É justamente isso que o Salmo 119 diz no versículo 9~11: “Como pode um jovem manter pura a sua conduta? Vivendo de acordo com a Tua Palavra. Eu te busco de todo coração; não permitas que eu me desvie dos teus mandamentos. Guardei no coração a tua Palavra para não pecar contra ti”.
5. Quer ter prazer na Palavra de Deus? Então, medite na Palavra!
Se estudar a Bíblia significa prioritariamente entender bem o que a Bíblia mesmo quer nos dizer, meditar está relacionado a aplicar a Palavra de Deus em nossas vidas. 
“Como é feliz aquele que não segue o conselho dos ímpios, não imita a conduta dos pecadores, nem se assenta na roda dos zombadores! Ao contrário, sua satisfação está na lei do SENHOR, e nessa lei medita de dia e de noite” (Sl 1:1). 
Novamente chegamos nessa palavra: Prazer!
Prazer nós experimentamos. A Palavra de Deus só se traduzirá em prazer quando pudermos viver o cumprimento de cada promessa, de cada mensagem, de cada ensino que a Bíblia tem a nos revelar todos os dias. 
Podemos ser como pessoas a descrever um prato farto de feijoada, descrevendo todas as suas propriedades nutricionais, sua beleza, seu sabor, nem nunca ter experimentado o prato. Mas quando provamos, nosso testemunho se torna real, vibrante! Existem pessoas que investem a vida inteira para estudar profissionalmente a Bíblia: são os teólogos. Mas mesmo que eu seja o mais renomado teólogo, posso não ter prazer na Palavra de Deus, porquanto essa Palavra não se traduziu um vida e experiência dentro de mim. Mas posso ser a pessoa mais humilde, que tem dificuldade até de ler, mas ter um prazer imenso na Palavra de Deus.
Meditar não é só pensar, é tirar da cabeça e colocar em prática: todo dia, toda hora, e por isso, “medita de dia e de noite”.